HISTÓRIA DA BANDEIRA IMPERIAL 1822 a 1889

A Bandeira Nacional, assim como o Hino, são os símbolos maiores da Pátria, e por isso devem ser respeitados e conhecidos. Tanto a nossa Bandeira quanto o nosso Hino Nacional foram criados no Império do Brasil, depois da Independência. 

Nosso Hino nos primeiros tempos não tinha letra, e a nossa Bandeira era um pouco diferente, e continha o Brasão Imperial.

O verdadeiro significado das cores de nossa Bandeira Nacional não é conhecido pela maioria das pessoas. É muito comum falar-se em “verde das matas, o amarelo do ouro”, mas não é bem assim, ou pelo menos, não é só isso.

 

A História mostra o motivo:

Em 18 de setembro de 1822, 11 dias após a Proclamação da Independência, as cores verde-louro e amarelo-ouro foram instituídas como cores nacionais do Brasil.

Há dois significados para as cores da Bandeira, um lembra a Natureza de nosso país, e foi dado pelo Imperador Dom Pedro I. Ele mesmo fez questão dessas cores, dizendo que representavam nossa Natureza exuberante.

Mas o significado vai além disso.

Ao proclamar a Independência do Brasil, D. Pedro I fundou um Império, único nas Américas, e uma Dinastia Reinante, formada pela união da Casa de Bragança com a Casa de Áustria.

A Bandeira do Brasil foi desenhada com as cores das Famílias Reais do nosso primeiro casal de Imperadores, D. Pedro I e Dona Leopoldina.

D. Pedro I é representado pelo verde da Casa dos Bragança, D. Leopoldina sua esposa, sendo filha do Imperador da Áustria, pelo amarelo-ouro da Casa dos Habsburgos.

Em setembro de 1823, o futuro Marquês de Resende , Antonio Teles da Silva Caminha e Meneses , então Embaixador na Áustria, explicando o motivo da escolha do verde e do amarelo ao Príncipe de Metternich , disse que o "amarelo - simbolizaria a Casa de Lorena (Habsburg)" , cor usada pela Família Imperial Austríaca, e o "verde - representaria a cor da Casa de Bragança" .

Outro documento que comprova isso é uma carta: - “datada de 15 de setembro de 1822, ou seja, pouco mais de uma semana da Proclamação da Independência, é sabido que numa carta escrita por D. Leopoldina à D. Maria Tereza , da Côrte da Áustria, comenta textualmente, fazendo referência às cores da bandeira, dizendo do “verde dos Braganças e do amarelo-ouro dos Habsburgos” (Silveira, 1972, pg 230).

 

O Decreto que criou a Bandeira do Império

Segundo o livro "Símbolos Nacionais na Independência" de autoria do general Jonas Correia, o Escudo de Armas e Bandeira do Império foram criados por Decreto de 18 de setembro de 1822.

Com relação a Bandeira o decreto diz:

"A Bandeira Nacional será composta de um paralelogramo verde e nele inscrito um quadrilátero romboidal cor de ouro, ficando no centro deste o Escudo de Armas do Brasil"

A cor verde, desde Portugal

Foi o Rei D. João I de Aviz (1357/1433) que instituiu a Casa de Bragança, pelo casamento de seu filho Príncipe Afonso com a filha do "condestável" D. Nuno Álvares Pereira.

Em 1384, ele incluiu na bandeira de Portugal a Cruz verde da Ordem de Aviz. Mas D. João II de Aviz retirou a cor verde, e ela só retornou à bandeira no reinado de Pedro II de Bragança , em 1669.

Um dos símbolos da Dinastia Bragança era o dragão verde (“Serpe Alada”), que aparece depois no Império do Brasil, no alto do cetro Imperial.

Em 20 de setembro de 1822, D. Pedro I, por Decreto, adotou a cor verde para todas as fardas da Corte.   

O pintor francês Jean Baptiste Debret , fundador da Academia de Belas Artes do Rio de Janeiro, foi encarregado da execução do desenho da bandeira e do escudo imperial.

Para Clóvis Ribeiro (apud Silveira, 1972, pag.231), Debret teria se inspirado em bandeiras militares francesas, sendo o losango inscrito em um retângulo um motivo ornamental em estilo Império.

Sabe-se que Dom Pedro I tinha especial admiração por Napoleão Bonaparte , além de ter um parentesco indireto com o ex-Imperador da França.

A Bandeira do Brasil possui um símbolo que lembra o Império: - o losango.

Além disso, o próprio D. Pedro I era um Bragança-Bourbon, descendente dos reis da França, e o artista que desenhou nossa bandeira foi o francês Jean-Baptiste Debret , o que poderia explicar a inspiração em bandeiras francesas.

Foi hasteada de setembro a dezembro de 1822, a bandeira pessoal dos príncipes reais do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, adaptada como bandeira do do Reino do Brasil.   

Por volta de 1870, a bandeira imperial foi alterada, quando D. Pedro II resolveu acrescentar a vigésima estrela para adequar o pavilhão à organização territorial do País.

A Bandeira Imperial simbolizou nossa Pátria nos momentos mais difíceis e gloriosos de nossa História.

Foi defendida pelos brasileiros durante a Guerra do Paraguai,

Pela Armada Imperial pelo mundo,

Era com uma flâmula verde-amarela que Santos Dumont decolava em seus vôos pioneiros em Paris (França).